Tudo tem limites…

…e tem mesmo. Quase precisei de uma lupa, sendo que escovei (sem exagerar) cada byte de código do Phantom, afim de torná-lo o menor possível. A mais surpreendente mudança (inclusive, implementada no dia 22 de Março de 2011) foi a compressão lzma no próprio kernel. Assim, ao término da compilação, onde as possibilidades de cópia se restringem à cp, dd e partimage como engines, concluí a compilação do sistema, tendo como resultado final uma ISO de 12.865KB ! Ou seja, de 19MB, teremos como resultado final para até a data de apresentação do sistema no FLISOL de Salto (dia 9 de Abril) um sistema totalmente novo, com 13MB.
As principais características desse sistema são:
– LZMA – a compressão do kernel e do initrd agora estão usando esse algorítmo de compressão, o que reduziu o sistema como um todo em aproximadamente 35%.

– Kernel 2.6.38 – A última versão estável do kernel do Linux, que possibilitou o uso de compressão com xz, além do patch maravilha, que diminui a latência de maneira extremamente perceptível, ou seja, a interface correrá livre, sem travamentos ou interrupções durante o processo de compressão e transferência da imagem para o Phantom server.

– Busybox – Utilização da última versão do busybox, juntamente com a correção dos scripts que fazem a negociação IP do udhcpc.

– Partimage – Já haviamos refeito uma compilação do Partimage para uma boa comunicação com o Qt, mas dessa vez o Murilo deu uma bela ‘hackeada’ no código, tirando até um bug que passava despercebido na comunicação com a interface do Phantom.

Limpeza – Remoção de todos os binário não pertencentes ao busybox – Isso realmente ajudou a reduzir o sistema em vários megas.

PQTE – Esse é o nome da interface gráfica do Phantom, que significa ‘Phantom QT Embedded’. Ela foi totalmente remodelada no background e também recebeu diversas modificações no foreground. Graças aos usuários cadastrados na lista do Phantom, foi possível perceber as modificações necessárias na interface, além de melhorar o suporte a hardware.
A ligação do dispositivo de cdrom foi melhorada, além da recriação de dispositivos de armazenamento externos conectados via USB, como pendrives e HDs.

Enfim, apenas o backup está finalizado e as ferramentas estão sendo reescritas para o nova versão. Faltará todo o processo de restore, por isso essa versão deverá ser disponibilizada para testes apenas internamente, na lista do Phantom, mas com certeza será uma nova experiência no processo de clonagem de disco, com um sistema muito mais rápido do que qualquer outra versão, é só esperar.

Comments

comments

Djames Suhanko

Djames Suhanko é Perito Forense Digital. Já atuou com deployer em sistemas de missão critica em diversos países pelo mundão. Programador Shell, Python, C, C++ e Qt, tendo contato com embarcados ( ora profissionalmente, ora por lazer ) desde 2009.

Deixe uma resposta