SOS PhantomClone

Atualmente temos trabalhado intensamente no projeto afim de disponibilizar novas engines, melhoras na interface e suprir cada vez mais as necessidades dos usuários. Em contra-partida arcamos com alguns custos de forma a evitar trabalho e manutenção com qualquer coisa que não seja o sistema de clonagem.

Mantemos 3 domínios (phantomsystem.com.br, phantomclone.com e phantomclone.com.br) e hospedagem na LocaWeb, sendo essa a estrutura mais agradável para a continuidade de nosso trabalho. Entretanto não temos objetivos financeiros fundados, mas arcamos com as despesas de estrutura, que atualmente se aproxima de 500,00/ano.

Nos 5 anos de projeto tivemos alguns auxílios, mas nada reteve o custo. Reuniões em diferentes domicílios afim de estudar soluções, internet, hardware e tempo são dedicados ao projeto para oferecer ao usuário o que há de melhor em clonagem de sistemas.

Atualmente enviamos um patch para o projeto Partimage e estamos trabalhando em melhoria de código de outras engines para que superemos em qualidade, praticidade e recursos todas as demais ferramentas de clonagem existentes.

Nos 5 anos de projeto, já superamos a marca de 30.000 downloads envolvendo origens de mais de 50 países e todas as regiões do nosso país. Se cada download equivalesse a R$1,00, teriamos então o suficiente para arcar com todos os custos e ter gratificação pelo nosso trabalho. E é nesse intuito que expomos aqui essa necessidade de auxílio financeiro ao projeto. Não exite em doar R$1,00, pois esse valor é suficiente se todos os usuários do sistema (ou pelo menos a maioria) o fizerem.

Dessa forma, nos resta contar com sua percepção das necessidades primárias que envolvem o projeto e perdir-lhe, caro usuário: faça uma doação para o projeto, colabore com a ferramenta que criamos para você.

Equipe PhantomClone

Comments

comments

Djames Suhanko

Djames Suhanko é Perito Forense Digital. Já atuou com deployer em sistemas de missão critica em diversos países pelo mundão. Programador Shell, Python, C, C++ e Qt, tendo contato com embarcados ( ora profissionalmente, ora por lazer ) desde 2009.

Deixe uma resposta