Os projetos do mundo Maker

crowd

“Makers” é um termo comum pra “fuçadores”, professores “Pardal”, “ténicos”, hobistas e outros que se utilizam da tecnologia pra se divertir. O que acho mais fantástico nesse mundo (de embarcados principalmente) é a coletividade. Cara, um ajuda o outro em grupos do facebook, ou pra ver alguém contente, ou para satisfazer o próprio ego. Enfim, todos ficam felizes. O Maker cria também, ele não só acende LEDs ou escreve sobre alguma tecnologia.

Em minha opinião, estamos diante de um dos quase-frutos desse desejo incontrolável que temos de colaborar. E esse fruto tem nome; é o RecLabi, um grupo de pessoas (não tão) comuns de Recife, que tem um sonho modesto – montar um Espaço Maker. E a primeira coisa que vem na cabeça é justamente estrutura – e vejam só – está quase tudo como planejaram. A estratégia deles foi inicialmente vender componentes para nós, amantes de tecnologia, e parece que as coisas vão bem lá por Recife!

Agora eles estão querendo montar um laboratório para dar curso e ajudar a disceminar o conhecimento lá pro lado quente do país, onde eles pretendem incluir pessoas de todas as idades; é o lazer do  novo mundo!

Para atingir o objetivo deles falta uma quantidade ínfima de dinheiro, cujo valor eles estão arrecadando via crowdfunding no Kickante. Pessoal, falando sério mesmo, eles estão seguindo todo aquele protocolo de premiação, irão rifar uma RPi 0, e o valor que eles intentam é tão pequeno que será uma vergonha para nós do mundo Maker se eles não atingirem o objetivo.

Eu estou torcendo muito pelo sucesso deles nessa empreitada em um momento dramático para o nosso país, onde isso pode se tornar profissão de pessoas que certamente terão problemas por subsidiar as iniquidades desse desgoverno.

E então, eles contam com sua ajuda?

Clique aqui e veja a campanha completa.

Comments

comments

Djames Suhanko

Djames Suhanko é Perito Forense Digital. Já atuou com deployer em sistemas de missão critica em diversos países pelo mundão. Programador Shell, Python, C, C++ e Qt, tendo contato com embarcados ( ora profissionalmente, ora por lazer ) desde 2009.

Deixe uma resposta